VILA AUTÓDROMO LUTA POR SUA SOBREVIVÊNCIA


Moradores da comunidade e representantes do Comitê Rio Copa e Olimpíadas entregaram no dia 16 de agosto o Plano Popular, contraproposta ao projeto de remoção da gestão de Eduardo Paes.

Moradores da Vila Autódromo e representantes de entidades que compõem o Comitê Popular Rio Copa e Olimpíadas foram recebidos pelo prefeito Eduardo Paes na quinta-feira (16), quando o chefe do Executivo municipal recebeu em mãos o Plano Popular para a Vila Autódromo. A contraposta elaborada por moradores com a assessoria de professores e estudantes de arquitetura e urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Universidade Federal Fluminense (UFF), comprova que o atual projeto de remoção total dos moradores da área que fica em Jacarepaguá é economicamente, socialmente e culturalmente inviável.

Localizado em um terreno que fica ao lado de onde será construído o Parque Olímpico para 2016, as mais de 450 famílias estão sendo ameaçados de remoção completa de suas casas, sua cultura e sua história, através do plano da Prefeitura e do Governo do Estado.

A alternativa popular para a urbanização da comunidade apresenta-se mais economicamente viável aos cofres públicos, orçado em R$ 13,5 milhões, enquanto a proposta da Prefeitura está orçada em aproximadamente R$38 milhões, que serão gastos com o extermínio da comunidade e as obras para a construção de um conjunto habitacional para a realocação dos moradores e pescadores da Vila Autódromo.

Em reunião realizada no Gabinete da Prefeitura do Rio de Janeiro, Eduardo Paes não esclareceu ou apontou o real motivo para que o projeto de remoção seja executado. A única resposta que os presentes no encontro receberam foi a de que Paes e a Secretaria Municipal de Habitação (SMH) iriam analisar o Plano Popular e em um prazo de 45 dias, os moradores receberão uma resposta.

Remoções forçadas à serviço da especulação imobiliária

Os crescentes ataques às comunidades do Rio de Janeiro é uma prática recorrente do poder público em favor de uma política de embelezamento da cidade maravilhosa. As ofensivas do Estado contra as populações tradicionais – e as mais esquecidas pelas políticas públicas dos Governos – começaram a se intensificar desde o anúncio da realização da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016. Antes ignoradas pela classe dominante e pelo sistema, hoje os moradores dessas comunidades começam a ser apagados do mapa e da história carioca, com as remoções forçadas de suas raízes.

De acordo com o Dossiê da Copa, que possui dados levantados em pesquisa realizada pelo Comitê Popular, 24 comunidades do Rio estão com risco de serem reassentadas, totalizando um número de 22 mil pessoas.

Anúncios

Uma resposta para “VILA AUTÓDROMO LUTA POR SUA SOBREVIVÊNCIA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s